sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Preparem os bolsos... 2015 já começou

Petrobras decide hoje: gasolina deve ficar de 4% a 5% mais cara


Conselho de Administração da Petrobras se reúne hoje e pode definir aumento para novembro. Será a segunda medida impopular do governo depois das eleições

Depois do aumento dos juros decidido pelo Banco Central (BC), a próxima medida dura do governo deverá envolver o preço dos combustíveis. As expectativas do mercado são de que o Conselho de Administração da Petrobras decida hoje, durante reunião, pelo aumento de 4% a 5%, em novembro. O último foi em igual mês, em 2013, de 4% para gasolina e 8% para o diesel. Caso isso se confirme, será a segunda medida impopular do governo dias após o resultado do segundo turno da eleição presidencial. “Se isso ocorrer, indicará maior comprometimento do governo com a normalização dos preços administrados”, avaliou o economista-chefe da INVX Global Partners, Eduardo Velho. Ontem, os comentários de consumidores nas rede sociais eram de que a gasolina chegará a R$ 3,50 em Brasília.

Para o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura, Adriano Pires, mais importante do que alterar os preços é o governo “apontar para uma política clara de reajustes”, que impeça que os valores voltem a ficar defasados. Ele também espera por uma alta de preços hoje, mas acha que a tendência mais forte é de que, em vez de direcionar a elevação da receita à estatal, o governo opte por ressuscitar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide).

“Isso reforçaria o caixa do Tesouro, o que seria bem-vindo no atual quadro fiscal”, explicou. Os municípios, que também recebem parte do montante arrecadado, podem ampliar os investimentos em transporte coletivo, algo que vai ao encontro das exigências das ruas nas manifestações do ano passado. A Cide é um tributo que começou a ser progressivamente reduzido em janeiro de 2003, quando acrescentava R$ 0,28 ao litro da gasolina, até ser zerado junho de 2012.

Os preços do petróleo no mercado internacional baixaram neste mês e agora estão em linha com o mercado brasileiro. Por isso, Pires não vê mais razão, do ponto de vista da Petrobras, para mudar o que se cobra nas refinarias. De janeiro a outubro, quando os valores estavam desfasados, a estatal acumulou prejuízos. Mas, para zerar a conta seria necessária uma alta de 20% no preço da gasolina. “Não se pode contar com isso porque o efeito inflacionário seria muito alto”, sentenciou.

E mais....

Mudanças na legislação de trânsito elevam valor de multas em até 900%

Em compensação, em relação ao condutor alcoolizado que provoca um acidente fatal, pena ficou mais branda

As multas para quem ignora as normas de ultrapassagem segura ou disputa rachas sem a licença das autoridades de trânsito ficarão mais caras a partir de amanhã. O valor base da punição é o mesmo, mas as condutas foram agravadas. Assim, fazer uma manobra perigosa, por exemplo, passará de R$ 191,54 para R$ 1.915,40, ou seja, 900% maior. Outra alteração consiste no aumento da pena para os chamados crimes de trânsito. A má notícia para as vítimas de motoristas alcoolizados é que, para eles, a pena ficou mais branda, segundo fontes ouvidas pelo Correio.

As mudanças estão detalhadas na Lei Federal nº. 12.971/2014, sancionada em maio pela presidente Dilma Rousseff (PT). Embora as mudanças impliquem mais rigor nas punições pecuniárias, há quem avalie que houve um abrandamento nas sanção do condutor alcoolizado que mata no trânsito. A nova lei, acrescenta um parágrafo fixando a pena de dois a quatro anos para o motorista que bebeu e provocou acidente fatal.

Segundo o promotor da 2ª Vara de Delitos de Trânsito, Rodrigo de Magalhães Rosa isso vai beneficiar esse tipo de infrator porque, antes, a polícia e o Ministério Público somavam as penas do artigo 302 (homicídio) mais a do 306 (dirigir alcoolizado). Isso dava até seis anos de cadeia. “Agora, como o legislador especificou a conduta de quem mata no trânsito sob efeito de álcool e fixou a pena de até 4 anos, não podemos adotar esse procedimento. Além disso, os réus já condenados poderão pedir a revisão da pena e, consequentemente, terão a punição reduzida”, explica.

Fontes: Correioweb – 31/10/2014

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Promessas: As bandeiras do novo governo

Confira os principais compromissos do socialista
Eleição direta para administrador regional, redução expressiva de cargos comissionados e expansão do metrô são algumas das medidas que constam no programa de Rodrigo Rollemberg. 

 A expansão do metrô é uma das promessas do governador eleito.

Durante os mais de três meses de campanha, o governador eleito Rodrigo Rollemberg (PSB) assumiu uma série de compromissos com a população do Distrito Federal. Entre as promessas, algumas devem trazer mais dificuldades para o novo chefe do Executivo local colocar em prática. A eleição direta para administrador regional, por exemplo, é uma delas — quando assumiu o Palácio do Buriti, Cristovam Buarque tinha a mesma intenção, mas não conseguiu fazê-la virar realidade. Não aceitar indicações políticas e reduzir em 60% o número de cargos comissionados são outras medidas anunciadas pelo socialista nada fáceis de serem cumpridas. O Correio enumerou 15 das principais bandeiras de Rollemberg e listou as dificuldades que o novo governador terá com cada uma delas.

A mobilidade urbana foi outro tema abordado insistentemente pelo socialista no período eleitoral. Para resolver os problemas da área, ele prometeu que a ferrovia Brasília/Luziânia fará transporte de passageiro; construir a via interbairros para beneficiar a região de Águas Claras, Guará, Taguatinga e Sobradinho; fazer o BRT Norte; implantar o bilhete único; e expandir o metrô. Segundo Paulo Cesar Marques, especialista em trânsito, as medidas são viáveis, mas será necessária muita vontade política do futuro chefe do Buriti para que elas virem realidade. “São obras importantes, mas exigem investimento muito alto e, consequentemente, prioridade para a área”, explica.

A gestão do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha é outro desafio. Segundo afirmou ao Correio em entrevista publicada ontem, o futuro governador pretende discutir com o segmento produtivo a concessão da estrutura, de forma que a população possa acompanhar o processo. Para isso, ele criará um conselho integrado por representantes das áreas cultural e esportiva. 

Neio Lúcio Campos, doutor em planejamento urbano regional e especialista em turismo, no entanto, acredita que a medida pode enfraquecer o Conselho de Desenvolvimento do Turismo no DF (Condetur), criado pelo próprio Rollemberg quando foi secretário de Turismo, em 1996 e 1997. “O ideal seria o Condetur definir as diretrizes a serem seguidas pelo futuro administrador, e a Terracap, dona do imóvel, entrar com a parte jurídica”, acredita.

Fonte: Correio Braziliense. Por MATHEUS TEIXEIRA e CAMILA COSTA.
Foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press - 6/8/14 - 29/10/2014 

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

DF: Polícia apura desvio de R$ 30 milhões em contratos de órgão da Policia Militar

Ao todo, 160 policiais civis cumprem 24 mandados de busca e apreensão no DF e em Caldas Novas (GO)

A Polícia Civil do Distrito Federal realiza na manhã desta quarta-feira (29) uma operação para investigar um suposto desvio de até R$ 30 milhões da Caixa Beneficente (Cabe) da Polícia Militar, em um esquema de contratação de empresas fantasmas e superfaturamento de contratos comandado por coronéis da instituição. A Corregedoria da PM acompanha a ação.

Por determinação judicial, três militares com a mais alta patente, além de um tenente-coronel e empresários, estão sendo levados coercitivamente para o Departamento de Polícia Especializada (DPE), no Parque da Cidade, para prestar esclarecimentos sobre a conduta deles frente a administração da associação.

A chamada “Operação Tiradentes” faz menção ao patrono da Polícia Militar e é resultado de investigações da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco) e do Ministério Público.

Um dos alvos dos investigadores é a casa do coronel Gilberto Alves de Carvalho, ex-comandante da PMDF e presidente do Conselho Deliberativo da Cabe. Segundo o delegado-chefe da Deco, Fábio Souza, na casa de Gilberto serão recolhidos computadores e documentos para análise das possíveis fraudes praticadas na associação nos últimos anos.

O inquérito foi aberto em 17 de junho deste ano, após denúncia de ex-funcionários da associação no MP. Entre irregularidades verificadas até então está aquisição e venda de produtos de forma irregular, entre elas, a compra de 199 botas e coturnos em agosto de 2012 pelo valor de R$ 50.60,87 de uma empresa localizada na 415 Sul. Pelas normas da Cabe, o produto só poderia ser vendido para associados, porém, 500 pares de coturno foram adquiridos por uma papelaria na Estrutural utilizando a matrícula de um policial militar associado.

Ainda pelas regras, há uma limitação de cerca de R$ 500 por policial. Apesar disso, poucos dias após a venda, o supervisor do mercado reembolsável da Cabe comprou da mesma loja outros 157 pares de coturno por R$ 49.349,70. A venda só não foi realizada, segundo apontam as investigações, em razão da nomeação de interventores determinada pela Justiça no início deste ano.

Em 6 de junho, um interventor registrou boletim de ocorrência na Deco para denunciar o suposto esquema de desvio de valores da associação. Ele constatou que uma empresa de informática que tinha contrato de prestação de serviços para a Cabe, na realidade, nunca executou os serviços. No mesmo dia, o contrato desapareceu da sala do interventor, mas, por precaução, ele havia digitalizado o documento. Nele constava a assinatura de uma pessoa que não fazia parte do quadro de funcionários. O dono da empresa de informática localizada em Caldas Novas também registrou boletim de ocorrência informando a fraude. O interventor ainda relatou na ocorrência ter sido intimidado por dirigentes da Cabe.

Pelos menos seis contratos estão sendo analisados. Chamou a atenção do MP e da polícia uma negociação feita em janeiro de 2011 para compra de 40 apartamentos de um empreendimento em Caldas Novas (GO) por R$ 6,5 milhões, sem prestar contas ao conselho fiscal da associação. Os negócios e o pagamento dos cerca de 300 colaboradores também teriam sido omitidos da planilha de custos da Cabe.

Ainda conforme a polícia, no curso das investigações foram encontradas 27 notas fiscais seqüenciais de vendas para a Cabe no valor de R$ 307 mil para uma empresa de esportes, porém, o sistema da associação atestava que montante maior foi pago para essa mesma loja, no valor de R$ 356 mil.

Fonte: Portal G1 DF: Foto: Kenzo Machida/TV Globo 

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Decreto Distrital determina contenção de despesas


Pela lógica, a Segurança Pública deve ficar fora dos efeitos desse Decreto, já que ele se refere aos órgãos e entidades da Administração Direta ou Indireta que dependem de recursos DISTRITAIS.

No nosso caso, somos vinculados ao Tesouro Federal através do Fundo Constitucional. Mas....


Da redação com informações do DODF de hoje.

DF: Desafios do novo governo

Assembleia de PMs na Praça do Buriti, em 2012: a categoria promete fazer cobranças a Rollemberg


Rodrigo Rollemberg (PSB) deve iniciar o ano de 2015 navegando em águas agitadas. As principais categorias de servidores do GDF já se organizam para cobrar o governador eleito logo nos primeiros dias de mandato. O socialista terá de ter jogo de cintura para dialogar com os trabalhadores, ao mesmo tempo em que se familiariza com a máquina pública. O novo chefe do Executivo local e sua equipe terão de administrar desde pedidos de aumento salarial a exigências de concurso público. ...

Os policiais civis e militares prometem fazer uma cobrança incisiva. Em comum, as duas corporações exigem do GDF a elaboração do plano de reestruturação das carreiras e o encaminhamento da proposta ao governo federal. Agnelo Queiroz (PT) não conseguiu atender tal reivindicação e enfrentou uma ferrenha mobilização. Em 2012, os agentes cruzaram os braços por 83 dias, a maior greve da história da Polícia Civil do Distrito Federal.

No mesmo ano, praças da PM iniciaram a Operação Tartaruga, que consistia em atrasar o atendimento de ocorrências. O corpo mole da tropa fez os índices de criminalidade atingirem patamares recordes. No mês de março, por exemplo, a cidade registrou 88 homicídios, quase três por dia.

Na área da educação, o Sindicato dos Professores (Sinpro) pretende fazer intensa campanha para que 100% das escolas públicas da capital sejam de tempo integral. Além disso, os docentes vão exigir de Rollemberg isonomia salarial com outras categorias do funcionalismo, elevando o salário bruto dos educadores para R$ 7,3 mil em início de carreira. Hoje, eles recebem R$ 4,8 mil.

“Basicamente, vamos abrir o ano exigindo três coisas: a valorização dos professores por meio da isonomia salarial, a escola em tempo integral em todo o DF e a redução de alunos por sala de aula. Com a sala lotada, o ensino passa a não ser de qualidade e contribui para que o professor desenvolva doenças”, afirmou o diretor de Imprensa do Sinpro, Cláudio Antunes.
Calcanhar de aquiles de Agnelo Queiroz, a área da saúde deve continuar dando dor de cabeça à gestão de Rodrigo Rollemberg. O socialista prometeu a volta de programas como o Saúde em Casa, mas precisará de um cardápio maior de propostas para resolver os inúmeros problemas que afetam diariamente a vida de milhares de usuários da rede pública. 
Equipar e ampliar as unidades de saúde e conseguir atrair médicos para a rede são alguns dos desafios. Agnelo não conseguiu. Fora isso, terá de conversar com uma categoria que promete pressionar o GDF já em 1ª de janeiro. Entre os pedidos de enfermeiros e técnicos, está o aumento do vale-alimentação de R$ 340 para R$ 800.

Dificuldades

Na visão do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Administração Direta (Sindireta), Ibraim Yusef, Rollemberg demonstrou interesse em se sentar à mesa com os servidores públicos, mas acredita que o novo governador encontrará dificuldades para cumprir todos os compromissos. “Ele vai pegar um governo endividado, que passou os últimos meses empurrando as contas. Além das reivindicações de cada categoria, ele terá de arcar com os reajustes escalonados firmados no atual governo. Certamente, vai gerar um impacto grande nos cofres do GDF”, afirmou Ibraim.

Problemas no transporte

Além de dialogar com as várias categorias do funcionalismo, Rodrigo Rollemberg herdará problemas na área de transporte. Um deles é aperfeiçoar o funcionamento do BRT, que liga Santa Maria e Gama ao Plano Piloto. Passageiros reclamam da demora entre um veículo e outro e exigem a volta de linhas internas extintas após a inauguração do Veículo Leve sobre Pneus. Também deve estar preparado para ser cobrado sobre a promessa de campanha de expandir o metrô. A construção do túnel no centro de Taguatinga é outro compromisso firmado por Agnelo e assumido por Rollemberg.

Os insatisfeitos

Servidores de algumas das principais categorias do GDF prometem começar 2015 pressionando o novo governador. Confira as principais reivindicações de cada uma:

Polícia Civil:
» Reestruturação da carreira 
» Nomeação de 600 agentes aprovados no último concurso para agente de polícia
» Reforma e substituição de mobília das delegacias
» Aumento do auxílio-saúde, que hoje é de R$ 90
» Participação de agentes e delegados na escolha do próximo diretor da corporação

Polícia Militar:
» Reestruturação da carreira, acelerando o tempo de promoções 
de praças
» Promoções de praças e oficiais, independentemente do 
número de vagas
» Reajuste salarial anual com o mesmo índice de correção do Fundo Constituicional 
» Aumento da Gratificação por Serviço Voluntário (GSV), benefício pago a PMs que trabalham na folga. 

Professores:
» Isonomia salarial com outras carreiras de nível superior 
do GDF, elevando o piso do professor para 
R$ 7,3 mil, considerando a média
» Ampliação de 300 para 657 escolas com o tempo integral no Distrito Federal, ou seja, 100%
» Reduzir o número de alunos por sala de aula. No ensino médio, são cerca 
de 42 por classe. A meta é diminuir para 30
» Implementação de um plano de saúde para a categoria. Hoje os professores recebem R$ 200 de auxílio-doença, insuficiente, segundo o Sinpro. 

Saúde:
» Tratamento isonômico das jornadas de trabalho. A reclamação é de que alguns servidores com a mesma função têm jornadas distintas 
» Aposentadoria aos 25 anos para servidores que exercem funções insalubres, como operadores de raios x, por exemplo. 
» Exigir que o governo pague a última parcela do reajuste escalonado em três vezes, acordo firmado no governo atual. 
» Aumento do vale-alimentação de R$ 340 para R$ 800.
» Aparelhar melhor os hospitais e as UPAs, tornando a rede mais atrativa a médicos, enfermeiros, técnicos e pacientes.

Fonte: Correio Braziliense. Por SAULO ARAÚJO. Foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press 

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Dilma reeleita. Rolemberg comanda o Distrito Federal.

Passado a euforia de uma das mais difíceis eleições da história, voltamos a realidade. O povo brasileiro, democraticamente, reelege sua Presidenta Dilma Rousseff e o Distrito Federal ganha um novo governador, Rodrigo Rolemberg.

Para nós, policiais e bombeiros, nada muda, haja vista nosso compromisso institucional. A esperança é que os compromissos firmados por ambos os governantes eleitos possam realmente ser cumpridos e que os benefícios prometidos sejam coletivos.

Já nessa semana deverá iniciar o processo de transição de governo e esse deverá ser nosso foco. Temos dois deputados federais, Alberto Fraga (155.056 votos) e Laerte Bessa (32.843 votos), que representam dois segmentos que compõe a segurança pública de Brasília, e com eles deveremos acompanhar de perto essa transição, pois dela também dependerá nosso futuro.

Em sua primeira entrevista como governador eleito, Rolemberg afirmou que sua primeira providência será criar um Conselho de Transparência e irá procurar focar no quesito gestão. Disse ainda que não cogitou nomes para secretarias e administrações, principalmente em troca de apoios, mas que está aberto a apoio de qualquer partido. Declarou ainda que sabe que vai receber o governo com um déficit de 2,1 bilhões de reais.

Mas um fator ficou evidenciado nessas eleições: Os policiais e bombeiros militares demonstraram sua capacidade de mobilização e poder de voto quando tiraram do segundo turno o Partido dos Trabalhadores. Daqui a 4 anos essas categorias estarão mais amadurecidas e quem sabe não consigam traduzir isso numa representatividade na Câmara legislativa, desde, claro, que se organizem como a maioria das classes trabalhadoras do Distrito Federal.

Para o próximo quadriênio, haverá a necessidade de muito diálogo, pois sem nenhum representante eleito, os militares estarão praticamente na mesma situação que traduz a atual composição parlamentar, mesmo tendo dois representantes escolhidos pelas categorias como Patrício e Aylton Gomes.

Ao governador eleito Rodrigo Rolemberg, nossos sinceros votos de um bom governo e de preferência promissor, voltado efetivamente para nosso povo e nossas instituições, lembrando que serão quatro anos de avaliação permanente dos eleitores de Brasília que nele depositaram sua confiança.


Por Poliglota...

domingo, 26 de outubro de 2014

Rolemberg é eleito governador do Distrito Federal

Rodrigo Rollemberg, do PSB, é o novo governador do Distrito Federal. O resultado foi anunciado às 17h37 deste domingo pelo Tribunal Superior Eleitoral, com 93% das urnas apuradas. Rollemberg registrava 55,56% dos votos válidos, contra 44,44% de Jofran Frejat (PR), que não poderia mais alcançá-lo. O percentual se manteve até o fim da apuração.

Entre as propostas do governador eleito estão a adoção do turno integral em todas as escolas públicas, a redução do número de secretarias de governo, a implantação do bilhete único para transporte coletivo e a escolha de administradores regionais por meio de eleição. Ele também defende uma gestão baseada na estipulação de metas e no acompanhamento de resultados.


sábado, 25 de outubro de 2014

PEDRO BIAL: O primeiro e único texto sobre a eleição

Depois de assistir um vídeo, no qual o ex-Presidente Lula declara que, para o PT, o Plano Real era um "estelionato eleitoral" e por isso seu partido votava contra, resolvi atender a solicitação de alguns seguidores e me manifestar, pela primeira (e provavelmente última) vez, sobre a eleição de 2014.

Pois bem.

Imaginem o Brasil de hoje se o PT ganhasse a eleição de 20 anos atrás. Não haveria Plano Real, não haveria estabilidade econômica, não haveria programas sociais, a inflação seria de 80% ao mês, o Brasil não teria uma moeda forte e valorizada e, assim, não haveria produtos importados e viagens internacionais... Esse vídeo mostra o PT verdadeiro, com toda sua ignorância e incompetência. Esse vídeo mostra o PT real e não aquele que os marqueteiros montaram para manipular o povo. Esse vídeo mostra o Lula de verdade e não aquele "Lulinha paz e amor" fabricado pelas agências publicitárias, pagas, aliás, com dinheiro público. Esse vídeo mostra o PT para sí mesmo e não para o povo. Esse vídeo nos lembra como o PT, enquanto oposição, fez mal para o país e seu povo, votando contra tudo e todos, apenas para dificultar a governabilidade de Fernando Henrique Cardoso (criador do Plano Real e dos programas sociais que foram unificados por Lula e se tornaram o Bolsa Família). Esse vídeo exemplifica essa oposição burra (literalmente). Se o país melhorou nesses últimos 20 anos, se as classes mais baixas foram privilegiadas, MUITO POUCO se deve ao PT, pois nada disso teria acontecido se o Lula fosse eleito em 1994.

Imaginem agora, o que acontecerá se o PT ganhar esta eleição, 20 anos depois. A corrupção será ainda mais agressiva, porque o povo a tolera e a reelege. A recessão, verificada no meio do ano, crescerá ainda mais. O Real perderá seu valor. Acabarão as viagens e os importados. A inflação sairá definitivamente do controle. A carga tributária aumentará. Os valores repassados nos programas sociais não serão suficientes para alimentar. Os juros e o endividamento do povo aumentarão. Não haverá concursos públicos nem aumentos salariais. O Supremo Tribunal Federal terá 10 de seus 11 Ministros nomeados pelo PT. As empresas públicas, dentre as quais a Petrobrás, perderão valor de mercado. A Bolsa de Valores operará em baixa, afastando investidores e investimentos. Aumentará o desemprego...

Se há alguma dúvida em relação ao Aécio (que nunca foi Presidente da República, não é Governador de São Paulo, não privatizou NADA, não é viciado em cocaína nem dono de helicóptero, foi reeleito no primeiro turno quando era o Governador de Minas Gerais), há certeza em relação à Dilma e ao PT. E a certeza é de um futuro sombrio e caótico, para o Brasil.

Está na hora de o povo acordar, cortar as amarras da marionete manipulada e tirar a máscara desse partido que rouba, assassina e mente.

Está na hora de o povo brasileiro, conhecido mundo afora pela cultura do "jeitinho", mostrar seu valor e afirmar para os políticos corruptos que a honestidade não pode ser trocada por assistencialismo barato - que ajuda, mas não resolve.

Está na hora de mudar.

E se daqui a 4 anos o Aécio não tiver cumprido o que prometeu, mudaremos novamente, até que tenhamos um(a) Presidente da República que seja reflexo das qualidades do povo brasileiro, guerreiro, honesto, trabalhador e, sobretudo, merecedor de um país melhor e livre da corrupção.

Muda Brasil. Agora é Aécio.


Fonte: Facebook